Propagandas antigas: Lembrando o cotidiano do passado

Por Fábio Reimão de Mello - 07/07/2013

Segundo a Wikipédia, propaganda é um modo específico de apresentar informação sobre um produto, marca, empresa ou política que visa influenciar a atitude de uma audiência para uma causa, posição ou atuação.

No caso em que vamos abordar, as propagandas, mais do que apresentarem produtos, transmitem ideias, buscam convencer o público tanto da utilidade quanto da superioridade de seu produto em relação aos similares, mostram diferenciais e principalmente tentam criar nas pessoas, um sentimento de necessidade de consumo daquilo que ofertam.

Quando se fala de tecnologia, é habitual que tenhamos muitas vezes, a primeira informação sobre um material inovador, por meio de produtos apresentados em propagandas e, da mesma forma, também é habitual que o passado figure em meio a um pouco de esquecimento, ficando não muito claro na memória. Porém, sempre a comparação entre o antigo e o novo é reveladora, curiosa e interessante, seja ela na nossa mente ou até, através das próprias propagandas.

Assim, aproveitando uma excelente contribuição do amigo Lucas Grams, vejamos como podemos verificar a evolução tecnológica do nosso cotidiano ao longo do tempo, pela observação de algumas propagandas da década de 1910 e 1960, que circularam em Riomafra e a que e nossos pais e avós tiverem contato.

O jornal Brasil Post – Semanário Brasileiro, do Consulado Alemão de Belo Horizonte – MG, nos anos de 1960 e 1961, trazia em suas páginas produtos inovadores e extremamente úteis para a época, que de certa forma, revolucionavam o modo de vida da várias famílias, facilitando o dia a dia daqueles que tinham condições de adquiri-los.

Em uma época em que ter água dentro de casa para os afazeres domésticos, de cozinha ou higiene não era tão fácil quanto hoje, pois havia a necessidade de retirar a balde água do poço geralmente existente na residência, uma bomba elétrica d’água, que abastecia uma caixa d’água e permitia o acesso à água pelo simples abrir de uma torneira era um verdadeiro luxo.

Se a ideia é de conforto e pensamos nos nossos dias com TV’s de alta definição e grandes proporções, há 50 anos muita gente queria, é reunir a família após o jantar para acompanhar a novela, transmitida por rádio e acompanhada por meio de uma eletrola.

E, falando ainda em lazer, nosso comum veículo para passeio e esporte a bicicleta, era vista principalmente como meio de transporte rápido e sem custo (talvez numa proximidade do que hoje temos as motocicletas) empregado para o deslocamento até o local de trabalho, não tão acessíveis no preço, confortáveis e leves como as bikes de 2013.

Se, a propaganda de 1960 já nos mostra coisas que fogem à realidade do século 21, as do Almanak Agrícola Brasileiro de 1912, editado por Amadeu A. Barbiellini (mais de 100 anos atrás) é um verdadeiro desafio ao entendimento do contexto do cotidiano daquela época.

Onde tablett’s e ultrabook’s não existiam nem em histórias de ficção, as máquinas de escrever eram a “representação da escrita moderna”, não mais atrelada a caligrafia manual. Máquinas bem menos “evoluídas” do que as que tenhamos tido contato, muito mais pesadas e cuja datilografia era um verdadeiro exercício para as mãos.

Tempo em que tomar um bom cafezinho não dependia de apenas ligar o botão da cafeteira, mas dependia de moer os grãos de café torrado em um moinho caseiro e, tempo em que os agricultores sonhavam em possuir um moderno arado reversível de tração animal, fato que chega a dar pena quando imaginamos a potencia e capacidade de nossos tratores e implementos agrícolas atuais.

E o que talvez seja o mais curioso, ao invés dos anúncios de automóveis a que estamos acostumados, com design inovador, ousado e altíssimas velocidades, em 1912 tínhamos propaganda de locomóveis, máquinas a vapor usadas para movimentar veículos nas ruas (chamados também de locomotivas de estradas), nada rápidos, porém muito eficientes para o início do século 20.

É, dando um passeio pelo passado das nossas propagandas, podemos não somente conhecer os produtos que eram comercializados a 50 ou até 100 anos atrás, mas principalmente por meio deles, saber um pouco mais do contexto de vidas das famílias daquelas épocas, de como a nossa tecnologia avançou e como era a realidade de nossos antepassados ou até aquela que nós mesmos um dia vivenciamos.

COMPARTILHE

1 COMENTÁRIO

IMPORTANTE: O Click Riomafra não se responsabiliza pelo conteúdo, opiniões e comentários publicados pelos seus usuários. Todos os comentários que estão de acordo com a política de privacidade do site são publicados após uma moderação.
  1. A locomotiva da primeira imagem não era usada para transporte mas sim como máquina industrial, principalmente para moinhos. Na época a erva mate era nosso principal produto, certamente tais máquinas eram bastante úteis para o processamento e beneficiamento da mesma.

PUBLIQUE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite o seu comentário.
Por favor, informe o seu nome.