Celesc afirma que a regional de Mafra continuará com a mesma estrutura, autonomia e poder de decisão

A mudança é apenas na nomenclatura de regional para unidade, garante o gerente do núcleo norte da companhia. Segundo ele a unidade de Mafra continuará com a mesma estrutura, investimentos, funcionários, sede, contratos e projetos

Por Gazeta de Riomafra - 16/03/2019

Nesta semana o gerente do Núcleo Norte da Celesc, Wagner Felipe, concedeu entrevista, rebatendo as declarações do SINDINORTE, na edição da última quarta-feira 12, deste jornal, onde afirmou que a Regional das Centrais Elétricas de Santa Catarina em Mafra continuará com sua estrutura –e investimentos – que a mudança é apenas na nomenclatura que deixar de ser regional e passar para unidade.

- CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE -
Breithaupt Mafra

“Todos os processos e serviços feitos por Mafra continuarão”, comentou.

Segundo Wagner as mudanças feitas pela Celesc é apenas para padronizar os processos e para buscar eficiência operacional. “O contexto administrativo de Mafra se manteve com uma diferença, hierárquica, onde a unidade responderá ao núcleo norte que contempla as cidades de Joinville, Mafra, Jaraguá do Sul e São Bento do Sul”, falou. As quatro cidades tinham regionais que passaram para unidade e respondem agora ao núcleo norte.

O gerente da agora chamada unidade da Celesc de Mafra, Leandro Gonçalves de Oliveira, disse que os 127 funcionários, os cargos, frota, continua tudo igual, que não haverá nenhuma mudança. Que os 12 municípios do planalto norte, além de Rio Negro, continuarão sendo atendidos normalmente. “A decisão de planejamento do sistema e atendimento continuam sendo responsabilidade de Mafra”, contou.

Leandro esclareceu que o papel do Núcleo Norte com sede em Joinville é institucional para a padronização do sistema. Destacou que orçamento para Mafra será mantido assim como os projetos desenvolvidos e que a unidade de Mafra foi contemplada com 62 km de rede isoladas de monofásico para trifásico, uma reivindicação antiga dos moradores do interior.

Desde que a Celesc anunciou a mudanças em sua gestão operacional o assunto ganhou destaque. Sendo inclusive tema na Câmara, onde os vereadores aprovaram uma moção de apelo pela manutenção dos recursos, orçamento e projetos na unidade de Mafra, para que ela não perdesse o status de regional.

O Sindicato dos Eletricitários do Norte de Santa Catarina – Sindinorte, também debateu o assunto apontando que a unidade de Mafra poderia ser transformada em um escritório que responderia diretamente à Joinville, dificultando o atendimento e o desenvolvimento de projetos. E que a mudança é uma preparação para a privatização da estatal.

- Publicidade -
COMPARTILHE

PUBLIQUE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite o seu comentário.
Por favor, informe o seu nome.