Possível retorno às aulas nas escolas municipais é discutido em Mafra

Por Assessoria - 22/05/2020

O possível retorno às aulas nas escolas da rede municipal de ensino de Mafra foi abordado pela Secretária de Educação Estela Maris Bergamini Machado, que apresentou na última semana sugestões que estão sendo estudadas pelo município, diante do quadro instalado em razão do período de Pandemia do COVID-19.

As alternativas em estudo fazem parte do Plano de Atendimento Emergencial e estão em consonância com a legislação vigente e de acordo com encaminhamentos de instituições ligadas à educação no âmbito estadual e nacional, além da Federação Catarinense dos Municípios, Ministério Público e Tribunal de Contas do Estado. A rede municipal de ensino possui atualmente 6.166 alunos, sendo 2.831 na educação infantil e 3.335 no ensino fundamental.

DUAS POSSIBILIDADES DE RETORNO

Segundo a secretária, o município está trabalhando coma possibilidade de volta as aulas com dois calendários distintos – em julho ou em agosto – e ainda assim cumprir as 800 horas legais exigidas.

Uma das situações apresentadas seria o retorno em 1º de julho. Neste caso, a secretária explicou que já foram cumpridas 216 horas, faltando 584 horas para completar o total de 800 horas necessárias. Com a possibilidade de acrescentar 15 minutos de aula a mais a cada dia letivo, se cumprirá mais 37 horas, totalizando 621 horas, restando ainda 179 horas a serem cumpridas. Essas horas, segundo ela poderão ser diluídas com atividades  complementares, reposição de dias como sábados letivos e outras ainda  ajustadas com cada unidade escolar.

Ela destacou que o plano de reposição está focado em quatro pilares: gestão pedagógica; gestão de pessoas; gestão de processos e gestão de financiamentos. “A volta às aulas será feita dentro dos protocolos de saúde e sanitários com a possibilidade de ser gradativa, de forma escalonada com espaços reorganizados com processos específicos de proteção, limpeza e higienização”, tranquilizou.

Para tanto a equipe de gestão e professores estão trabalhando para articular conjuntamente estratégias isonômicas e equitativas de atendimento para os estudantes. “A equipe vem estudando e definindo projetos de reforço escolar; de busca ativa para alunos evadidos; de atendimento fonoaudiógico, psicológico, psicopedagogo e de terapeuta ocupacional para o mais breve possível”, informou

SEM CULPA

Ela tranquilizou aos pais quanto ao momento, esclarecendo que cada um a seu tempo vai aprender a ler, escrever, entender os números e os demais conteúdos do currículo que a escola ensina. “Não se sintam culpados por nada, pois vocês não são professores, profissionais da escolarização. Este é um processo que nos cabe, mas  se acharem que precisam trabalhar o português e a matemática ou outras disciplinas, ensine seu filho a cozinhar, assim estarão trabalhando  quantidades, tempo de cozimento e composição dos alimentos. Isso é matemática, ciências e nutrição.  Leia um livro, assista um filme ou desenho e peça para ele interpretar. Isso é português. Brinque com o seu filho  cante e dance. Isso é artes e educação física. Tudo é aprendizado, declarou”. Também tranquilizou aos professores e demais profissionais da educação e às crianças.

PLANO DE ATENDIMENTO EMERGENCIAL

Para realização do Plano de Atendimento Emergencial a Educação de Mafra realizou pesquisa sobre acesso à internet junto aos alunos da rede municipal, constatando que:

– A rede municipal de ensino possui atualmente 6.166 alunos, sendo 2.831 na educação infantil e 3.335 no ensino fundamental;

– Das 5.713 famílias que responderam aos questionamentos, 4.338 têm acesso à internet, sendo rede e telefone celular (75,9%); 457 não tem acesso (9%) e 919 não responderam (16%).

QUANTO ÀS ATIVIDADES REMOTAS

A secretária explicou ainda, quanto a inúmeros questionamentos sobre atividades remotas, destaca que:

– Para a Educação Infantil não há nenhuma possibilidade legal instituída de se implantar qualquer atividade, quer seja remota, encaminhamento de atividades complementares ou a distancia;

– Para o Ensino Fundamental, segundo a LDB, artigo 32, parágrafo 4 será ofertado em regime presencial, sendo a distância utilizado apenas para casos emergenciais a complementação de aprendizagem.

– A Secretaria Municipal de Educação está trabalhando em um documento norteador do CNE – Conselho Nacional da Educação sobre o sistema de ensino remoto e similares.

- Publicidade -
COMPARTILHE

PUBLIQUE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite o seu comentário.
Por favor, informe o seu nome.