Saiba quais são as famílias pioneiras de Mafra

Por Redação Click Riomafra - 06/09/2017
Residência Saade em 1900 onde hoje é o Alto de Mafra

O artigo é do escritor e pesquisador histórico Henrique Fendrich, autor do livro “A família de Nicolau Becker – Rio Negro, Mafra e Itaiópolis”.

O primeiro grupo de imigrantes alemães e luxemburgueses que chegou a Rio Negro, em fevereiro de 1829, se estabeleceu nos dois lados do rio, ou seja, ocupou também o território que, em nossos dias, pertence ao município de Mafra. Uma análise das listas nominativas, espécie de censo da época, sugere, inclusive, que a maior parte dos imigrantes ficou no lado mafrense. Isso é visível sobretudo na lista de 1850, em que há dois quarteirões distintos, um para cada margem do rio.

- CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE -

Sabemos qual era o de Mafra e qual era o de Rio Negro com base na trajetória dos nomes citados, sendo que em Mafra havia 29 domicílios de alemães, contra apenas 16 no quarteirão de Rio Negro.

A densa ocupação de Mafra pelos pioneiros de Rio Negro é confirmada por meio de registros de terra feitos em 1855 e 1856. Muitos são citados como proprietários no lugar Curralinho, que corresponde a São Lourenço, em Mafra. Outros aparecem no Portão, uma localidade entre Rio Negro e Curralinho, também em Mafra. E também há aqueles que aparecem no lugar Cedro, que fica na atual região de Bela Vista do Sul.

A fim de que esses nomes não sejam esquecidos, mas que, ao contrário, possam ser reverenciados neste momento em que se comemora o centenário da cidade, listamos a seguir o nome de proprietários que já estavam em Mafra na década de 1850.

Curralinho: Barbara Binz, Nicolau Becker Filho, Pedro Becker, João Becker, Jacob Thibes, Frederico Schlukebier, Jacob Thibes, João Clemens, Nicolau Pickcius, Mathias Pickcius, Felippe Rauen, Nicolau Rauen, Jacob Peters, Theodoro Peters, Valentim Stockschneider, Frederico Stockschneider, Henrique Carlin, Mathias Carlin, Felippe Arbigaus, Nicolau Arbigaus, Mathias Kraus, Henrique Granemann, João Granemann, João Horta, João Grein, João Sauer, Margarida Thibes, Daniel Jungles, Mathias Jungles, Nicolau Schuck, Jacob Leffel, João Carvalho, Elias José de Carvalho, Clementino Xavier, Antônio Gonçalves, Damasceno Gonçalves, Joaquim Pereira dos Santos, Simão de Lorena, Hermenegildo Pereira, Antônio Pereira, Manoel de Lorena, Pedro das Chagas, Francisco das Chagas de Oliveira, José Martins dos Santos, Salvador Martins dos Santos, Manoel Caetano, Rosa Alves, José Elias, Maria Manoela Preto.

- CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE -

São Lourenço: Felippe Arbigaus, João Peters, Mathias Hau, Catharina Schulz, Leonardo Schulz, Maria Horta, Mathias Pickcius, José Ruthes, José dos Santos Santiago, Reginaldo Santiago.

Portão: Nicolau Becker Filho, Pedro Becker, João Becker, Frederico Schlukebier, Adolpho Kemmerich, Felippe Rauen, Nicolau Rauen, Mathias Grein, Mathias Kraus, Frederico Stockschneider, Theodoro Peters, Mathias Jungles, José Francisco de Ramos.

Cedro: Barbara Binz, Frederico Schlukebier, Adolpho Kemmerich, Jacob Peters, Mathias Hau, João Peters, Jacob Leffel.

Há nomes que aparecem em mais de um lugar, e por certo havia outras famílias que, por algum motivo, não aparecem nos registros. Embora Mafra não fosse ainda cidade, e tampouco pertencesse a Santa Catarina, a colonização alemã em seu território se deu alguns dias antes da de São Pedro da Alcântara, tida como a primeira do estado.

Livro conta a história da família Becker em Rio Negro, Mafra e Itaiópolis

Clique aqui e saiba mais

- CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE -

Livro A família de Nicolau Becker – Rio Negro, Mafra e Itaiópolis

- Publicidade -
COMPARTILHE

23 COMENTÁRIOS

IMPORTANTE: O Click Riomafra não se responsabiliza pelo conteúdo, opiniões e comentários publicados pelos seus usuários. Todos os comentários que estão de acordo com a política de privacidade do site são publicados após uma moderação.
  1. Desculpem o intrometimento. Sei que em 1.828 na leva de imigrantes que vieram para Rio Negro faziam partes duas pessoas com o mesmo Nomes de Mathias Kuss, sendo o pai e filho o filho Mathias Kuss casou a primeira vez com Gertrudes uma descendente da Alemanha, viuvou e casou pela segunda vez com uma descendente brasileira por nome de Berberina de Ávila da Silva, casamento religioso pela igreja de Lages SC, fixaram residência no interior do município de Campos Novos SC, local que mais tarde e até hoje é conhecido pelo nome de Gramado dos Izidios, nome de um de seus filhos, o casamento se realizou no dia 21 de Setembro de 1.844, importante esclarecer que com o tempo os cartórios e as igrejas grafam o sobrenome Kuss, ora Kus outras vezes simplesmente cús e por fim Cruz, formou-se uma grande família com o sobrenome, Cruz da Silva, por ex. um de seus filhos, Ezidio Cruz da Silva, os descendentes de Mathias Kuss e Berberina de Ávila da Silva são encontrados desde de Campos Novos SC ao Sudoeste do Paraná.

  2. Sou adelaine de Oliveira Garcia mae roseli das gracas de Oliveira pai João lidio de Oliveira e maria jose fernandes com país de João [Antônio de Oliveira e benedita alves de Oliveira ]da mae (José Fernandes e maria rosa fernandes)ambos eu acho qe de curitibanos minha mãe nasceu em curitibanos em 1964 registrada em São Cristóvão do Sul.
    E testemunhas :herminio muller filho e Jerônimo Rodrigues. Registrada em 19/12/1964

  3. Sou Bannach pelo lado paterno, e Stockschneider pelo materno. minha mãe, cujo pai se chamava Mathias Stockschneider, dizia que uma tia dela tinha vindo da Itália, sobrenome Pecchi. Alguém conhece este sobrenome?

  4. Meu avô paterno, João Stokschnaider, era de São Lourenço.
    Meu pai, era dos Leffel, e Arbigaus, falava muito no falecido Felipe Arbigaus, creio que dá segunda ou terceira geração. Minha vó Eva Leffel França, era do início dos anos 1900…

  5. Henrique Fendrich e Fabio Becker: aguardo resposta à pergunta sobre Nicolau Becker e seu sumiço de Mafra em 1852(página 274 do livro Familia de Nicolau Becker).

    • Nicolau Becker e Catharina Carling, viveram e morreram no município de Campos Novos SC, próximo a cidade de Monte Carlo, tiveram vários filhos, sendo uma das filhas casada com, Tibúrcio Corrêa de Mello e outra com Guilherme Corrêa de Mello, formando assim uma grande descendência com o sobrenome Corrêa Becker, o cartório de registro civil de Campos Novos é dirigido pelos familiares dos Corrêa Becker, encontra-se os descendentes desse casal em Dalpai, Monte Carlo, Brunópolis, Campos Novos e outros.

  6. li o livro sobre nicolau becker, casado com catharina carling. ele sumiu em 1852. alguem sabe para onde foi? Meu trisavo era nicolau becker casado com catharina altenhofen, e era de Gauer eck, são leopoldo, rs. Suspeito que este nicolau veio para o RS. Este meu trisavô casou com uma catharina gallas schallemberg e depois com catharina altenhofen. Meu bisavô nasceu em 1862 e era filho da catharina altenhofen. Os becker do RS são evangélicos e meus parentes são católicos. Tenho suspeitas que somos descendentes do velho nicolau de Mafra. Em um livro de batizados de 1862 aparecem Nicolau e Catharina Becker batizando uma escrava de nome genelícia em Biguaçu.

    • Sou Mariza Guerra Rauen, bisneta de Esmenia Kuss e Felipe Rauen. Meu avô era Jose Raul Rauen. Meu pai Odilon Rauen. Entre no Facebook no grupo “Descendentes de Johann Rauen”. Tem toda a história e a árvore genealógica da família Rauen. Muito interessante.

  7. Ninguém poderia me ajudar já tentei de tudo sobre meus antepassados Família DELLER
    Meu bisavô João DELLER filho e meu trisavô JOÃO DELLER

  8. Meu nome é Joceane Jasnievski,sou do Paraná. Meu avô materno se chamava Estefane Flausinski,e meu avôs paternos eram Helena Kowalski e Cassimiro Jasnievski. Se não me engano o nome de meu bisavô era Maximiliano Jasnievski. Quero saber sua origem e quando chegaram ao Brasil,se possível que me ajudem por favor.

  9. RESPOSTA PARA RIBAMAR

    Não sei se eram seus Tataravós (trisavós) porém ADÃO KUSS juntamente com sua mulher ANNA e os filhos MATHIAS e SUZANA, embarcaram em 30/06/1828 no porto de Bremen, Alemanha, no Veleiro CHARLOTE LOUISE, tendo chegado ao Brasil (Rio de Janeiro) em 02/10/1928. Após um tempo no Rio de Janeiro embarcaram em um "brigue" (não consegui o nome) juntamente com outras famílias alemãs, entre as quais os irmãos RAUEN que haviam ficado órfãos na viagem. Chegaram ao porto de Antonina em janeiro/1929 e na região de Rio Negro em 06/02/1929. Interessante informá-lo que meu Bisavô FELIPE RAUEN, casou três vezes – 1ª com MARIA SCHMIDT, 2ª com HELENA KUSS e 3ª com ISMENIA KUSS da qual sou descendente

    • Sr. Olavo,
      O Senhor tem a lista de passageiros do Veleiro Charlote Louise? Estou procurando por Matthias Mangrich (Mannerich, Mangerich) que veio com sua mãe Susanna Lorich (Lobrich, Lorig), São originários de Euren – Stadt Trier. Tenho como referência o embarque no dia 07/06/1828 no Navio Bremense Louise.. Se puder me ajudar e entrar em contato, deixo meu e-mail para contato arleymangrich@hotmail.com, desde já lhe agradeço.

  10. RESPOSTA PARA RIBAMAR

    Não sei se eram seus Tataravós (trisavós) porém ADÃO KUSS juntamente com sua mulher ANNA e os filhos MATHIAS e SUZANA, embarcaram em 30/06/1828 no porto de Bremen, Alemanha, no Veleiro CHARLOTE LOUISE, tendo chegado ao Brasil (Rio de Janeiro) em 02/10/1928. Após um tempo no Rio de Janeiro embarcaram em um "brigue" (não consegui o nome) juntamente com outras famílias alemãs, entre as quais os irmãos RAUEN que haviam ficado órfãos na viagem. Chegaram ao porto de Antonina em janeiro/1929 e na região de Rio Negro em 06/02/1929. Interessante informá-lo que meu Bisavô FELIPE RAUEN, casou três vezes – 1ª com MARIA SCHMIDT, 2ª com HELENA KUSS e 3ª com ISMENIA KUSS da qual sou descendente

    • Desculpem o intrometimento. Sei que em 1.828 na leva de imigrantes que vieram para Rio Negro faziam partes duas pessoas com o mesmo Nomes de Mathias Kuss, sendo o pai e filho o filho Mathias Kuss casou a primeira vez com Gertrudes uma descendente da Alemanha, viuvou e casou pela segunda vez com uma descendente brasileira por nome de Berberina de Ávila da Silva, casamento religioso pela igreja de Lages SC, fixaram residência no interior do município de Campos Novos SC, local que mais tarde e até hoje é conhecido pelo nome de Gramado dos Izidios, nome de um de seus filhos, o casamento se realizou no dia 21 de Setembro de 1.844, importante esclarecer que com o tempo os cartórios e as igrejas grafam o sobrenome Kuss, ora Kus outras vezes simplesmente cús e por fim Cruz, formou-se uma grande família com o sobrenome, Cruz da Silva, por ex. um de seus filhos, Ezidio Cruz da Silva, os descendentes de Mathias Kuss e Berberina de Ávila da Silva são encontrados desde de Campos Novos SC ao Sudoeste do Paraná.

  11. Se alguem puder publicar os registros dessas pessoas e sobrenomes, data de nascimento e falecimento, casamentos e filhos, MUITAS árvores genealógicas que hoje estao com partes faltando, seriam finalmente completadas.

  12. Gostaria de informações sobre a chegada da familia Kuss no Brasil. Em que ano, navio, cidade de origem na Alemanha, cidade(s) onde se estabeleceram no Brasil, nomes . Meus bisavos residiram em Rio Negro.

    • Não sei se eram seus Tataravós, porém, ADÃO KUSS e sua mulher ANNA, com seus filhos, embarcaram em 30/junho/1928 no Porto da Bremen, Alemanha no Veleiro CHARLOTE LOUISE, juntamente com outras famílias alemãs, entre as quais JOHANN RAUEN, sua mulher ANNA e quatro filhos. Chegaram ao Brasil (Rio de Janeiro) em 02/outubro/1928. Após certo tempo no Rio de Janeiro, ADÃO KUSS e família e outras famílias alemãs, entre as quais encontravam-se os irmãos RAUEN que haviam ficado órfãos na viagem, embarcaram em um brigue a vapor e chegaram em Antonina em janeiro/1929. De Antonina, viajaram a pé e em carroças até a região de Rio Negro, onde chegaram em 09/02/1929. Um dos irmãos RAUEN, Phillip (Felipe) casou-se 3 (três) vezes – a 1ª com MARIA SCHMIDT, a 2ª com HELENA KUSS e a 3ª com ISMENIA KUSS, da qual sou descendente

PUBLIQUE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite o seu comentário.
Por favor, informe o seu nome.