Audiência pública discute lei que proíbe consumo de bebidas alcoólicas em Rio Negro

Por Gazeta de Riomafra - 23/11/2016
Poucas pessoas compareceram a audiência, visto a importância do tema de segurança que preocupa a cada dia mais a população rionegrense
Poucas pessoas compareceram a audiência, visto a importância do tema de segurança que preocupa a cada dia mais a população rionegrense

Convocada pela Câmara dos Vereadores, uma audiência pública foi realizada na noite da última quarta-feira (16) e teve como objetivo debater o projeto de lei 73/2016 que dispõe sobre a proibição do consumo de bebidas alcoólicas em logradouros públicos.

Durante toda a audiência as manifestações e discursos foram em apoio e aprovação da lei que é de autoria do presidente da Câmara, vereador Élcio Josué Colaço (PDT) em parceria com a promotora de justiça, Gisele Silvério da Silva.

- CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE -

Lamentável foi a pouca participação da comunidade, devido a ineficiente divulgação da audiência pública. A maioria dos cidadãos ficaram sabendo pela imprensa após ter ocorrido o evento.

Qual a sua opinião sobre projeto de lei que quer proibir o consumo de bebidas alcoólicas nas ruas e praças de Rio Negro?

Clique aqui para ver o resultado parcial

Carregando ... Carregando ...

Comércio acuado

Em seu discurso, um técnico administrativo do Detran/PR, pontuou que não basta apenas mudar a lei, é preciso conscientizar a sociedade, cobrar da classe política e envolver todas as entidades do município em prol do fortalecimento da segurança pública na cidade. “Para consertos de viaturas e doações de equipamentos a polícia, cansamos de mobilizar a sociedade através dos conselhos municipais de segurança, infelizmente, esse trabalho nunca foi valorizado a ponto do comando da polícia simplesmente destinar nossas doações a outros municípios do estado, isso é lamentável e precisamos impedir que aconteça novamente”, frisou.

Em defesa dos lojistas, falou a presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Mafra e Rio Negro (CDL), Fatima Regina Granemann. Segundo ela, o município enfrenta diversos problemas, mas não pode permanecer ecoado e com medo dos frequentes assaltos, roubos e vandalismo que assola o comércio. “Pasmem o comercio é alvo dos mais diversos tipos de assalto e em diferentes horários com bandidos até munidos de foice tamanha é a petulância dos criminosos. A que ponto chegamos?”, desabafou.

- CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE -

Trabalho desumano

Para promotora de justiça, Gisele Silvério da Silva, é desumano o trabalho de juízes, promotores e policiais civis e militares de Rio Negro
Para promotora de justiça, Gisele Silvério da Silva, é desumano o trabalho de juízes, promotores e policiais civis e militares de Rio Negro

Entre os discursos mais aguardados, estava o da promotora de justiça, Gisele Silvério da Silva, e para ela, o problema da segurança pública em Rio Negro é muito mais grave do que se pensa e classificou como desumano o trabalho da promotoria, juizado e dos policiais quando comparado com outras regiões do estado.  “No município de Ponta Grossa, por exemplo, a proporção é de um juiz para cada 12 mil habitantes, aqui temos um juiz para mais de 35 mil habitantes. É desumano o esquecimento de nossa região não é apenas do governo do estado, mas do Tribunal de Justiça e de outras instituições também. A proporção de policiais militares por habitantes também é muito aquém do ideal o que acontece com a policia civil é uma vergonha, em vez de o policial civil estar investigando, eles estão cuidando de preso na Delegacia. Preso não pode ficar em delegacia, ele tem que ficar em presidio aqui tem muito boa vontade, mas só com boa vontade não se consegue fazer tudo”, desabafou.

Para o subcomandante da 1ª Companhia Independente da Lapa, capitão João Pedro Passos Rocha, a lei em questão é vista com bons olhos pela policia militar, e nas cidades onde fora implantada rendeu bons frutos. “Quando se proíbe o consumo de bebidas alcoólicas em vias publicas, resolve também o problema de som auto. Uma vez que não tem bebida, não tem porque ficar ouvindo música na rua e aí as pessoas procuram locais apropriados”. O capitão também lembrou que é praticamente certo que 1ª Companhia Independente da Lapa, se transformara em batalhão e o pelotão de polícia militar de Rio Negro passara a Companhia, e se assim for, Rio Negro passaria a contar com mais de cem novos soldados.

Comerciantes reclamam

Para alguns comerciantes, donos de lanchonetes e demais ramos de atividade, a lei não irá punir os infratores, mas sim aqueles que pagam impostos e geram empregos e renda na cidade. Afirmam não ser justo eles serem penalizados pela falta de segurança na cidade, onde se houvesse a mínima condição de segurança, principalmente quando há eventos e aglomerações de pessoas, como no calçadão por exemplo, algazarras, brigas, vandalismos e assaltos não aconteceriam. Segundo eles, seria injusto supor que os frequentadores de bares e lanchonetes seriam os maiores motivadores pelo “estado de insegurança” que reina no município de Rio Negro.

Alegam também que as pessoas podem beber em casa ou em outros lugares e vir para o centro causar algazarras e vandalismos e até se drogarem, visto que não há fiscalização no município por falta de efetivo policial.

- CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE -

Entendem que os políticos ao invés de punir aqueles que trabalham honestamente, pagam seus impostos, geram empregos e renda no município, deveriam mobilizar os deputados e suas bases políticas na capital paranaense e cobrar do governo uma solução para o que vem acontecendo no município. O problema de tudo isto é a falta de segurança em Rio Negro, falta de policiamento, mais nada, pois na maioria das cidades onde tem segurança adequada, os bares e a venda de bebidas alcoólicas funcionam normalmente sem maiores problemas e quando há, a polícia está presente e cumpre com sua função. Pontuam.

Audiência pública discute lei que proíbe consumo de bebidas alcoólicas em Rio Negro (2)

- Publicidade -
COMPARTILHE

9 COMENTÁRIOS

IMPORTANTE: O Click Riomafra não se responsabiliza pelo conteúdo, opiniões e comentários publicados pelos seus usuários. Todos os comentários que estão de acordo com a política de privacidade do site são publicados após uma moderação.
  1. Sempre foi permitido beber em praça. E quando haver festa baila o na praça. Vão ficar sem tomar uma? ! Aumentaria a invasão

  2. Completamente ridículo!
    Rio Negro já sofre de uma certa carência de bares, lanchonetes e locais onde possa ter uma música ao vivo, justamente pela falta de segurança e uma enorme burocracia para a obtenção de alvará.
    Sendo assim como já acontece em nossa atualidade a população Rionegrense vai deixando de lado a nossa cidade para frequentar esses locais em outras cidades, afetando não só os comerciantes locais que pagam seus impostos corretamente, como também a questão do turismo.
    – RETROCESSO!
    "Polícia para quem precisa de polícia"
    Se eu, você, todos nós que trabalhamos a semana toda não vamos poder tomar uma mísera cerveja em um espaço público; onde vamos parar?
    Tendo fiscalização correta no município e acabando com a falta de efetivo policial sim resolve a situação citada nesse projeto de lei.
    – PUNIÇÃO PARA QUEM MERECE SER PUNIDO!

  3. Em Rio Negro, basta acabar com o calçadão e a feia da lua que causam o aglomero de gente e o problema se acaba. Se em Rio Negro for proibido o uso de alcool, o povo, digo, os que não tem o que fazer, frequentadores do bobodromo, vem para Mafra e se instalam na Praça do Wellington, perto do correio. Lá tem lanchonetes, tem rio, tem mato, tem lugar pra beber, pra usar drogas (até nem escondidos, diga-se de passagem. E aí? Como resolver?
    E viva nóis…

  4. Um assunto tão sério e tão pouca divulgação!!!!!
    Quando inaugura qualquer obra no município é tão divulgado em redes sociais e quando precisa uma divulgação que refletirá diretamente na população!!!!!!

    • Verdade! Engraçado que quando é para divulgar inauguração da pqp está em todas as redes sociais, tem todo holofote. E para divulgar que haveria uma audiência importante assim, aberta para a população, não se vê nada por ai, né?

  5. A saída é fazer cumprir as leis em excesso já existentes. Barulho, algazarra e desordem devem ser punidos exemplarmente.

    • Boa Tarde.

      Deveriam avisar todos os cidadãos de Rio Negro quando esta acontecendo esse tipo de reunião por que querendo ou não é sobre o direitos de todos os moradores, e também sobre o futuro de todos nós e de nosso filhos, e não acho certo proibir pra todos e sim para aqueles que estão fazendo coisas erradas e principalmente menor de idade, por que não são todas as pessoas que estão na praça estarão fazendo vandalismo, e barulhos, a maioria das pessoas que estão la estão pra se divertir com os amigos e não fazem nada pra ninguém, e antes de começar a fazer lei sem perguntar pra todos os moradores da cidade por que não começam a contrata e pedir verba pra mas segurança na cidade, por que mesmo que essa lei seja a provada os jovens de hoje em dia usam mas drogas do que bebida alcoólica, então se for ver a culpa não é só da bebida alcoólica e sim de outras coisas.

PUBLIQUE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite o seu comentário.
Por favor, informe o seu nome.