O grande mistério da reprodução humana

Por GB Edições - 22/07/2014

O grande mistério da reprodução humana

Perpetuar a espécie ainda é o desejo de muitos casais, ou de muitas mulheres. Quando ele não pode ser realizado, surge uma grande frustração e ansiedade.

O que impede estas pessoas de terem filhos é a infertilidade.

A infertilidade tanto pode ser masculina quanto feminina, sendo que suas causas mais comuns no homem são a caxumba ou doenças sexualmente transmissíveis interrompem a produção dos espermatozóides; problemas genéticos; muitas vezes o organismo masculino produz anticorpos e estes, erroneamente, podem agir contra os espermatozóides e retirar o seu potencial de fertilização.

As causas da infertilidade feminina podem ser obstrução nas trompas; problemas nos ovários; problemas no útero; endometriose; hostilidade do muco cervical.

Aliado a estas causas, uma consequência da vida moderna também tem dificultado a gravidez. É muito comum a mulher priorizar a carreira e a vida profissional, em busca da estabilidade financeira antes de ter filhos, assim a gravidez é prorrogada. Aumenta cada vez mais o número de mulheres que têm filhos depois dos 30 anos e isso contribui com as dificuldades na hora de engravidar.

No entanto, os especialistas são unânimes em afirmar que é muito importante o casal se preocupar em ter filhos só quando realmente quiser e não pela cobrança da sociedade ou da família, o que é muito comum.

As causas da infertilidade têm tratamento. O casal tem que ter o cuidado de procurar especialistas capacitados e entender que cada caso é um caso e merece tratamento específico.

As mulheres, por exemplo, que apresentam problemas ovulatórios podem se tratar com medicamentos.

Esgotadas as possibilidades de tratamentos, muitos casais recorrem à fertilização em vitro, ou seja, o esperma é preparado no laboratório e o óvulo é retirado do ovário da mulher com uma agulha guiada por ultrassonografia. No laboratório, os óvulos são colocados em contato com os espermatozóides para serem fertilizados. Depois de dois ou três dias, quando já estão formados os embriões, são colocados de volta no útero da mulher e, se aderem à sua camada interna, acontece o início da gravidez.

Outro tratamento é a inseminação artificial. Neste método o laboratório colhe o esperma do homem e injeta dentro do útero da mulher através de uma sonda de plástico na hora da ovulação. Já no útero, os espermatozóides vão espontaneamente para a trompa, onde um deles fertilizará o óvulo.

Vale lembrar que estes tratamentos são caros e não são custeados pelo SUS. Em geral, os planos de saúde também não contemplam este tipo de atendimento.

Algumas dúvidas quanto a estes tratamentos transformaram-se numa espécie de mito.

Não é verdade, por exemplo, que todos os tratamentos para engravidar resultam em gêmeos ou trigêmeos.

Outro mito muito difundido é que o casal pode escolher o sexo do bebê. Os especialistas explicam que isso é pura lenda.

O uso frequente, ou muito prolongado, de anticoncepcionais ou DIU também não causam a infertilidade, assim como um período de abstinência sexual também não aumenta as chances de engravidar.

As técnicas de fertilização não contribuem para a má formação de crianças; a incidência deste problema é igual em crianças nascidas de concepção natural. Atualmente já é possível reverter a vasectomia e a laqueadura das trompas.

- Publicidade -
COMPARTILHE

PUBLIQUE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite o seu comentário.
Por favor, informe o seu nome.