Semana Rock n’ Roll – (Bill Haley & His Comets, Festival Woodstock 1969 e O encontro de John Lennon e Paul McCartney).

Publicado por Cris Fagundes - 11/07/2012 - 13h21

Olá galera, como falei no ultimo texto, essa semana especial em que se comemora o dia Mundial do Rock n’ Roll (13/07), irei postar fatos importantes e marcantes que aconteceram ao longo da história do Rock, não seguirei uma cronologia dos fatos ou criarei um ranking de valores pois não acho isso legal, cada fato tem sua importância e seu valor vária de pessoa para pessoa, e também me perdoem se esquecer algo, pois são muitas coisas, muita história, sem mais delongas vamos aos trabalhos.

  •  Bill Haley and His Comets.
Para muitos o “marco zero” do rock and roll, aconteceu quando  Bill Haley and His Comets resolveram acelerar o ritmo do Blues e do Jazz, que foi batizado de Rockabilly. Em sua maioria, os músicos de Rockabilly eram brancos, mas tinham outros como Chuck Berry, Little Richards e Bo Diddley, negros que vieram do rhythm and blues. Estes, apesar de terem a sonoridade parecida com a dos brancos, não eram considerados como Rockabilly.
Voltando a Bill Haley and His Comets, a primeira turnê mundial de um grupo de rock foi realizada em 1957, por Bill Haley & The Comets, o que demonstra sua importância na popularização mundial do rock. O grupo já havia gravado com os nomes The Saddleman e The Jodimars, mas seu som era country demais, sem distinção de outras bandas do gênero. No começo dos anos 50, depois de dez anos de obscuridade, Haley foi convencido a imitar o som de discos race, música negra, começando pelo clássico “Rocket 88″ de Jackie Brenston. Embora relutantemente, o som de bandas de rhythm & blues, como The Tympany Five, de Louis Jordan, foi contaminando a música de Haley, enquanto o estilo Northern band sound se cristalizava.
Por fim, Haley aceitou uma boa oferta da Decca e em abril de 1954 gravou “Rock Around The Clock”, outra regravação de um disco race, feito quase um ano antes por Sunny Dae. O sucesso de “Rock Around The Clock”, produzido por Milt Glaber (produtor de Louis Jordan), foi monstruoso. A música é considerada o marco zero do rock e tornou-se um dos clássicos supremos do rock’ n’ roll, mostrou o caminho a Haley, que realizou todos os seus discos subsequentes dentro do mesmo estilo, procurando ao máximo emular a música negra.
Assim, o ritmo dançante da música de Bill Haley contagiou os jovens e também levou muitos outros artistas a seguirem seus passos. Ele adaptou o ritmo do swing (ritmo dançante) ao som das guitarras elétricas e transformou (We´re Gonna) Rock around the clock no hino oficial do rock’n’roll. Depois de Haley, outros artistas da década de 50, como Chuck Berry, Little Richard, Buddy Holly e Jerry Lee Lewis também marcaram presença na história do rock’n’roll.
Portando este sem dúvidas é um fato importante da história do rock a ser destacado ao meu ver. 

Bill Haly & His Comets.

  • 15 a 17 de agosto de 1969: Woodstock, o maior festival da história.
Uma fazenda em Bethel, cidade próxima a Nova York, foi o palco do festival mais famoso da história do rock, o principal marco da geração paz e amor. O festival de Woodstock reuniu cerca de 450.000 pessoas (número muito maior do que se previa, fora projeto para no máximo 80.000 pessoas, o que transformou a tarefa de organizar a multidão num pesadelo). Além de ouvir música, era a hora de levantar a bandeira da liberalização dos costumes e promover a contracultura. Numa década que assistiu à chegada do homem à Lua e ao assassinato de John Kennedy, entre outros acontecimentos extraordinários, Woodstock é sempre lembrado – o que mostra o tamanho da importância do festival e a força de suas memórias na geração que viveu essa experiência.
Ninguém tinha mais de 30 anos entre os 400 mil jovens que acamparam durante três dias, comendo, bebendo, dormindo, quem esteve em Woodstock de 15 a 17 de agosto de 1969 afirma que foi a maior manifestação de paz de todos os tempos. Mas, ainda antes de a festa começar, não parava de chegar pessoas para ouvir The Who, Jimmy Hendrix, Joan Baez, Crosby, Stills & Nash, Jefferson Airplane, Janis Joplin e muitos outros mais que haviam confirmado presença. Logo foi preciso desmontar as cercas da fazenda.
Na Casa Branca, estava instalado Richard Nixon, que incorporava os clichês do governante reacionário em velhos moldes. E o que Woodstock significou, no fundo, foi a rejeição dos Estados Unidos que Nixon representava. Nada expressou tão bem essa rejeição quanto a guitarra de Jimmi Hendrix, entoando o hino nacional entrecortado pelos sons de bombas. Um ano antes de sua morte, o astro consagrava-se como o maior guitarrista de rock de todos os tempos. Hoje Woodstock tem a aura de um mito, provavelmente também por representar o crepúsculo do movimento hippie.

Woodstock - 1969.

  • 6 de julho de 1957: O encontro de John Lennon e Paul McCartney.
A igreja de St. Paul, em Woolton, subúrbio da Inglaterra, foi o palco de um show histórico – não pelo que aconteceu no palco, onde uma banda semi-amadora chamada Quarrymen fez uma apresentação pouco memorável, mas sim por um encontro que aconteceu pouco depois. John Lennon, um dos integrantes do grupo, tinha um amigo chamado Ivan Vaughan – e Ivan também era amigo de Paul McCartney, que estava na plateia naquele dia. John chegou correndo, afinou a guitarra de qualquer jeito, encontrou os amigos e eles começaram a tocar. Para a surpresa de John, estavam tendo uma boa aceitação por parte da platéia. Ele estava orgulhoso. Veio o intervalo e um menino se aproximou acompanhado de Ivan Vaughn, eram 18 horas, 48 minutos.  Um inesquecível momento para os próximos milênios.
“Estou gostando bastante do show, parabéns”, disse ele. “Porém, fella, há um problema na afinação de sua guitarra”. John olhou com estranhamento. “Quem é esse branquelo idiota pra dizer quando minha guitarra está afinada ou não?”, pensou. “Posso tentar afiná-la pra você?”, perguntou o primeiro. “Se não der certo, pode pegar de volta e eu não te encho mais”. “Tudo bem, mas rápido que o show já vai recomeçar”.

Paul pegou a guitarra e começou a tocar “Twenty Flight Rock”, de Eddie Cochran. “Olha só, realmente não estava bem afinada”, disse ele. John reparou que ele era canhoto. “Como esse filho da mãe pode tocar tão bem sendo um canhoto que está tocando um instrumento desafinado para destros?”, perguntou-se ele. “Pronto, bem melhor!”, exclamou Paul, emendando “Be-Bop-A-Lula”. John estava, sem dúvidas, impressionado. “Com um cara desses na banda, nós seríamos imbatíveis, mas ele é tão bom quanto eu e deve ter um ego dos diabos”, continuou pensando, em silêncio. Após um tempo, limitou-se a sorrir e agradecer. “De nada. Aliás, meu nome é Paul McCartney”. “Lennon. John Lennon. Obrigado, mas agora preciso voltar a tocar”, e assim ele foi embora, subiu no palco e recomeçou a tocar, mas não conseguia tirar as habilidades daquele menino da cabeça.

Paul ficou até o final do show e depois se afastou, ficando perto de umas árvores numa praça perto dali. De repente, viu Ivan se aproximando. “O John ficou impressionado, cara! Eu nunca vi ele daquele jeito! Está falando de você até agora, mas é orgulhoso demais pra vir aqui falar o que vou dizer. Ele quer que você entre para a banda”. Paul ficou boquiaberto. “Eu, na banda? Com o John? Mas…” – o outro continuou antes mesmo que Paul pudesse terminar: “Olha, Paul, se eu fosse você aceitaria. O John não costuma agir assim com ninguém. Vai por mim, ele gostou de você”. Foi o necessário para fazer Paul acreditar e acatar a idéia. Após uma excursão com o irmão, ele começou a fazer parte efetivamente da banda. A revolução havia começado, as almas gêmeas haviam se encontrado.

John Lennon e os colegas tocando.

Bem galera por hoje é isso, espero que tenham gostado, no próximo texto, mais fatos históricos, importantes e marcantes do Rock and Roll, abaixo segue algumas vídeos dos momentos citados hoje. Não esquecendo que no próximo dia 14/07 rola show com Os Remanescentes  na Adega 399, boa pedida pra comemorar essa semana tão especial!!!

Os Remanescentes - 14/07 (sábado) - Adega 399 - Anexo calçadão Rio Negro.

07 de Agosto de 1955, Bill Haley & His Comets tocam o mega sucesso “Rock Around The Clock” no lendário programa The Ed Sullivan Show.

Jimi Hendrix – tocando “Hey Joe” (Ao Vivo Woodstock, 1969).

http://www.youtube.com/watch?v=AEdUhErJq9E

Janis Joplin – tocando “Try” (Ao Vivo Woodstock, 1969).

Jefferson Airplane – tocando “Somebody To Love” (Ao Vivo Woodstock, 1969).

The Who – tocando “My Generation” (Ao Vivo Woodstock, 1969).

http://www.youtube.com/watch?v=tBMos92heq0

A primeira canção gravada por The Quarrymen (Pré-Beatles).

Uma ótima tarde a todos e até a próxima.

- Publicidade -

ENVIE UM COMENTÁRIO

IMPORTANTE: O Click Riomafra não se responsabiliza pelo conteúdo, opiniões e comentários publicados pelos seus usuários. Todos os comentários que estão de acordo com a política de privacidade do site são publicados após uma moderação.