Fique de olho na carteira de vacinação

As vacinas ainda são o melhor remédio contra algumas doenças

Por GB Edições - 02/12/2014

Fique de olho na carteira de vacinação

Verão e férias, a combinação perfeita para se fazer aquela viagem que foi planejada durante o ano inteiro. Além da revisão do carro, da escolha das roupas certas e tantos outros detalhes que garantem a alegria do passeio, quase ninguém se lembra de checar se a região a ser visitada é foco de alguma doença e quais as vacinas para a sua prevenção. Por isso, fique atento.

O risco de reintrodução do sarampo ainda preocupa as autoridades sanitárias. Em países como Japão, Alemanha e outras nações da África, responsáveis por um número considerável de visitantes ao Brasil, a cobertura vacinal em relação a essa doença não é muito ampla e o sarampo continua a ocorrer.

Há no país uma segurança razoável da imunização contra o sarampo em crianças. Já em relação aos adultos não se pode dizer o mesmo. Isso se deve ao fato de a cobertura vacinal contra a doença ter sido intensificada no Brasil a partir do final da década de 80. Praticamente todos os bebês nascidos desde então foram vacinados, mas quem tem mais de 20 anos pode não ter recebido a dose e, assim, estar suscetível à contaminação.

Diante disso, o Ministério da Saúde recomenda às secretarias estaduais de municipais de Saúde que desenvolvam estratégias para intensificar a vacinação dos viajantes e dos profissionais da área de turismo. A aplicação da dose nessas pessoas deve ser realizada principalmente nas cidades que atraem mais turistas estrangeiros, como Rio de Janeiro, Florianópolis, Foz do Iguaçu e capitais do Nordeste. A vacina está disponível em qualquer posto de saúde, mas os próprios empresários de turismo, associações ou sindicatos do ramo podem procurar as representações do Programa Nacional de Imunizações (PNI) das secretarias estaduais de Saúde e elaborar ações de vacinação para grupos específicos. Nesses casos, o PNI fornece doses da vacina para aplicação nos profissionais.

Erradicada do Brasil desde 1994, a poliomielite ainda ocorre em regiões que mantêm estreita relação turística e comercial com o Brasil, como é o caso da África. Para garantir a erradicação da doença, o Ministério da Saúde promove, em parceria com Estados e municípios, campanhas de vacinação contra a paralisia infantil, de forma a aplicar doses de reforço àquelas recebidas pelas crianças na rotina dos postos de saúde. Portanto, é importante manter o cartão de vacina da criança atualizado.

Outro flagelo é a febre tifóide; provocada pela bactéria Salmonella typhi, é uma doença transmissível associada a baixos níveis socioeconômicos, em especial às precárias condições de saneamento, higiene pessoal e ambiental. A infecção ocorre pela ingestão de água ou de alimentos contaminados com fezes humanas ou com urina que apresentem a bactéria S. typhi. Algumas vezes pode ser transmitida pelo contato direto (mão e boca) com fezes, urina, secreção respiratória, vômito ou pus de indivíduo infectado. A vítima elimina a bactéria nas fezes e na urina, independentemente de apresentar os sintomas da doença.

Os principais sinais e sintomas da doença são febre alta, dores de cabeça, mal-estar geral, falta de apetite, retardamento do ritmo cardíaco, aumento do volume do baço, manchas rosadas no tronco, prisão de ventre ou diarreia e tosse seca. O paciente deve receber tratamento ambulatorial, basicamente com antibióticos e reidratação. Em casos excepcionais, é preciso internação para hidratação e administração venosa de antibióticos. Sem tratamento antibiótico adequado, a doença pode ser fatal em até 15% dos casos.

Para se prevenir da doença, basta ferver ou filtrar a água antes de consumi-la, prevenir-se com higiene pessoal, saneamento básico e preparo adequado dos alimentos, evitar alimentação na rua e, se necessário, dar preferência a pratos preparados na hora, por fervura, e servidos ainda quentes.

No caso da cólera, trata-se de uma doença diarreica infecciosa aguda, causada pelas bactérias Vibrio cholerae O1 e O139. Diarreia e vômito são as manifestações clínicas mais frequentes. Os principais sinais e sintomas são variados, e vão desde infecções assintomáticas até casos graves, com diarreia abundante e incontrolável, que pode levar a um estado de desidratação grave e choque.

As principais medidas de controle da cólera são: consumo de água de boa qualidade e em quantidade suficiente; destino e tratamento adequado dos dejetos humanos; destino adequado do lixo; bons hábitos de higiene pessoal e na manipulação dos alimentos.

Procure um posto de saúde e coloque a sua carteira de vacinação em dia. Este ainda é o melhor remédio.

- Publicidade -
COMPARTILHE

PUBLIQUE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite o seu comentário.
Por favor, informe o seu nome.