Carlinhos é ‘nocauteado’ nas urnas em Mafra e Milton Paizani vence em Rio Negro

Vitória esmagadora trará ainda mais responsabilidade a Wellington e Vicente. Massacre nas urnas pode ser o fim da era Scholze na política mafrense. Em Rio Negro, Milton Paizani governará mais uma gestão sem oposição. Câmaras de Riomafra pouco renovadas.

Por Gazeta de Riomafra - 04/10/2016
Foto: Robson Komochena/Jornal Gazeta de Riomafra
Foto: Robson Komochena/Jornal Gazeta de Riomafra

Nem o eleitor mais otimista e nem o mais pessimista poderia prever uma vitória tão esmagadora para prefeito em Mafra. O candidato Wellington Bielecki (PSD), apoiado por Vicente Saliba (PDT), venceu os seus oponentes Carlinhos da Farmácia (SD) e Jacaré, por uma diferença de 23.868 votos, ou seja, 88,19% dos votos. Nunca na história de Mafra houve tamanha diferença entre o primeiro e segundo colocado, num pleito a prefeito municipal. Dos 31.248 votos válidos, o candidato Wellington totalizou 27.558 sufrágios.

O fracasso de Carlos Roberto Scholze nas urnas foi tamanha, que chegou a perder para os votos brancos nulos, que juntos, somam 3.918 votos, contra os apenas 3.690 sufrágios conquistados por Carlinhos da Farmácia.

Outro dado que chama a atenção, além dos votos brancos (1.497) e nulos (2.421), são as abstenções que chegaram 7.512, um índice muito alto, chegando a 17,60% de eleitores faltantes. Se somados aos votos nulos e brancos, chega-se ao número de 11.430 eleitores que não aprovaram nenhum dos candidatos a prefeito nas urnas, ou seja, um altíssimo percentual de 28,74% de reprovação, num montante de 42.678 eleitores.

Foto: Daniel Nizer/Divulgação
Foto: Daniel Nizer/Divulgação

Em Rio Negro, como era previsto o atual prefeito Milton Paizani (PSDB) também se elegeu com facilidade, sendo muito favorecido pela desistência do até então candidato Alceu Ricardo Swarowski (PSB), tido como favorito a ganhar o pleito, que dias antes de começar a campanha política, aceitou um cargo no estado, num acordo com o governador e a pedido do próprio Paizani ao governador, Alceu teria desistido da candidatura deixando o partido e os aliados sem rumo, onde tiveram que sozinhos lançar o candidato Robinson Feres na última hora e concorrerem sem recursos contra a máquina administrativa e a minoria dos partidos que restaram aliados.

Foi sem dúvida uma luta de Davi contra Golias, onde o atual prefeito com todas as condições a seu favor venceu com 85,81% dos votos contra 14,19% de Robinson. Esperava-se uma vitória ainda maior, porém o jovem candidato e seu vice (Joarez Novack) estreantes na política, lançados na última hora como candidatos conseguiram 2.495 votos, vindos principalmente do interior do município.

Rio Negro teve um índice ainda maior de votos brancos (947), nulos (1.261) e abstenções (4.354), para prefeito, totalizando um total de 6.562 votos não válidos, mostrando uma desaprovação de 29,20% dos eleitores, num montante de 24.141 eleitores no município.

VEREADORES EM MAFRA

Nestas eleições, o legislativo mafrense ampliou de 10 para 13 o número de cadeiras na Câmara. Com três cadeiras a mais, a candidata estreante Claudia Buss (PTB), Adilson Sabatke (PP) pela 2ª vez e o veterano e ex-vereador Valdir Sokolski (PSB), conseguiram suas cadeiras no legislativo para o próximo ano. Para vereador também houveram bastante votos brancos e nulos, somando um total de 4.055 votos (11,53%). Somados as 7.512 abstenções, totalizam 11.567 eleitores que não quiseram eleger os vereadores mafrenses. Um percentual de 29,13% de rejeição as urnas.

RENOVAÇÃO

Como era esperado, houve renovação na Câmara de Mafra, onde cinco novos vereadores irão estrear na cadeira da Câmara. Dois retornaram (Witinho e Valdir Sokolski) ao legislativo e quatro vereadores se reelegeram: Bello, Marise, Éder e Schelbauer. E dois suplentes, conseguiram se firmar como titulares.

O mais votado foi o ex-vereador Marcos Witt (PDT) com 1.570 votos que após quatro anos volta a ocupar a cadeira de vereador. As surpresas ficaram por conta dos outros três candidatos novos no cenário político: João Enfermeiro (PSD) com 1.357 votos, ocupando o 2º lugar e o candidato Vande da Farmácia, sendo o 3º mais votado com 994 votos. Em 4º lugar também a aprece o Élcio do Hospital, tentando a vaga pela segunda vez, com 828 votos. Em 5º lugar, outro jovem na política, sargento Cirineu (PDT), conquistando 701 votos, todos eles, ficando à frente de favoritos e medalhões da política, como o vereador Bello (PR), professor Éder (PMDB), o presidente da Câmara Edenilson Schelbauer (PSB) e Marise Valério (PMDB), todos atuais vereadores.

Vereadores antigos como Paulo Sérgio Dutra (DEM) e Pedro Machado (PSB), Terezinha Wisniewski (PDT) e Osni Martins (Tostão) (PV), não conseguiram voltar ao legislativo desta vez.

Ficaram de fora (suplentes), os atuais vereadores do PSD: Márcia Nassif, Clécio Witt e Luis Alfredo Nader. Do PRB Erlon Veiga, Joãozinho Patroleiro (PSDB), Cidral (DEM) mesmo com 650 votos.

PDT ELEGEU QUATRO REPRESENTANTES

Historicamente o PDT foi o primeiro partido a conseguir eleger quatro representantes no legislativo mafrense, talvez devido a quantidade de votos do primeiro colocado Marcos Witt, pelo coeficiente eleitoral, arrastou junto mais um representante.

SAÚDE FORTEMENTE REPRESENTADA?

Quatro dos atuais eleitos, usaram a bandeira da saúde para se eleger: João Enfermeiro (PSD), Vande da Farmácia (PDT), Élcio do Hospital (PSD) e Dimas Humenhuk (PTB). Será que teremos uma Mafra mais saudável na próxima legislatura?

MULHERES

As vereadoras Marise Valério e Claudia Buss, serão as duas representantes da ala feminina na Câmara a partir do próximo ano, mantendo o número da atual legislatura.

A IDADE FEZ A DIFERENÇA

Novamente um fato inusitado ocorreu numa eleição para vereador em Mafra. Desta vez a candidata e atual vereadora, Márcia Nassif (PSD), fez o mesmo número de votos da também atual vereadora Marise Valério (PMDB), ambas com 610 votos, como são da mesma coligação, o regulamento teve que escolher uma das duas, sendo assim, a mais velha, Marise acabou ficando com a vaga. Márcia será a primeira suplente.

Na eleição de 2008, outro fato inusitado ocorreu, quando os então candidatos do mesmo partido (PSDB) Pedro Machado fez um voto a mais do que sua companheira de partido Carmen Ruthes.

“PIXULECO” DO LULA TAMBÉM FOI AS URNAS EM RIOMAFRA

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

O já conhecido de todos os eleitores brasileiros, o famoso inflável “pixuleco” do Lula, pintando com roupa de presidiário, acompanhou alguns dos eleitores do movimento Vem Pra Rua Riomafra às urnas. Numa forma de protesto, pedindo a prisão do ex-presidente Lula, os manifestantes, de forma inteligente e bem humorada levaram consigo o “pixuleco” do Lula para visitar as urnas, lembrando aqueles que em outras eleições, por duas vezes também elegeram Lula presidente do Brasil.

VEREADORES EM RIO NEGRO

O legislativo rionegrense manteve as mesmas nove cadeiras na Câmara da atual legislatura, onde o estreante Alessandro von Lisingen, atual secretário de Educação, fortemente apoiado pelo prefeito Milton Paizani e vice James Valério, conseguiu ficar em primeiro lugar com 843 votos.

Da mesma forma que o legislativo mafrense, em Rio Negro também houve alto índice de votos brancos e nulos, somando 1.591 sufrágios (8,04%). Somando-se as 4.354 abstenções (18,04%), totalizam 5.945 de votos não válidos, um percentual de 26,08% de eleitores que rejeitaram as urnas para votar nos candidatos a vereador em Rio Negro.

RENOVAÇÃO

No legislativo rionengrense houve pouca renovação, apenas três. Dos nove atuais vereadores, apenas Nilson Paizani (PSDB) não concorreu à reeleição. Sendo que dos atuais, quatro se reelegeram: (Gari (PSDB), Colaço (PTB), Rodrigo (PSD) e Pimentel (PP). Apenas três novos candidatos chegaram ao legislativo (Alessandro, Odair Chiquinho e o professor Maurício Valério). Outros dois, Sideney Wolter (PSDB) e João Peludo (PROS), são ex-vereadores, portando não são considerados como renovação.

Dos atuais vereadores, não conseguiram se reeleger os tucanos, Luis Bosquetto e Geraldo Veiga (PSDB), Landivo (PSD), Gringo (PP).

SEM MULHERES NOVAMENTE

Pela segunda legislatura consecutiva, a Câmara de Rio Negro não terá uma representante da ala feminina. A suplente mais bem colocada foi a candidata Rogelia Kulka (PP), figurando apensa na 22ª posição com 305 votos, ocupando a 2ª suplência.

SEM OPOSIÇÃO

Em mais uma legislatura, não haverá oposição ao executivo rionegrense, os nove eleitos são da base e da coligação do prefeito reeleito Milton Paizani. Para grande parte da população, um retrocesso na política.

- Publicidade -
COMPARTILHE

3 COMENTÁRIOS

IMPORTANTE: O Click Riomafra não se responsabiliza pelo conteúdo, opiniões e comentários publicados pelos seus usuários. Todos os comentários que estão de acordo com a política de privacidade do site são publicados após uma moderação.
  1. MAFRA mais quatro anos parada kkkkk e agora com treze cadeiras pra vereadores fico envergonhado da cidade onde morei por mais de vinte anos

  2. Boa tarde, como teremos quatro vereadores representado a saúde, venho pedir que lute por uma saúde mais justa e solidária e que os atendimentos com especialistas sejam feitos em nossa cidade e os exames nos laboratórios locais ou no nosso hospital, chega do povo ter que se sacrificar e ir consultar fora de Mafra, onde recebe um ¨lanchinho¨, de biscoito recheado e um suco para passar o dia fora do município, muito cansativo isso.
    Pagamos impostos para Mafra e não Itaiópolis ou Campo Largo no Paraná.

PUBLIQUE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite o seu comentário.
Por favor, informe o seu nome.