Milton Paizani e Robinson Feres se enfrentam em debate em Rio Negro

Por Everton Lisboa (Click Riomafra) - 29/09/2016
Foto: Everton Lisboa (Click Riomafra)
Foto: Everton Lisboa (Click Riomafra)

Na noite desta quarta-feira (28) os dois candidatos a prefeito de Rio Negro, Robinson Feres (PSB) e o atual prefeito Milton Paizani (PSDB), se enfrentarem em debate político no auditório do SESI. Com aproximadamente duas horas e meia de duração, o debate foi dividido em quatro blocos e teve temas indicados pelas entidades organizadoras do evento. Os candidatos também responderam a perguntas sorteadas que foram feitas por entidades locais e pelo público presente. O engenheiro Edson José Guenther foi o mediador do debate.

No primeiro bloco os dois candidatos, bem como os seus respectivos candidatos a vice-prefeito, puderem se apresentar ao público e defender os seus ideais. Em sua fala inicial, Milton Paizani enalteceu as ações realizadas durante o seu período como prefeito e defendeu a continuidade. “Não podemos deixar de dar sequencia a esse grande trabalho que está sendo realizado”, comentou. O candidato a vice-prefeito pelo PSDB, James Karson Valério, evidenciou ao público materiais de campanha do ano de 2012 contendo as propostas de governo e defendeu que as mesmas foram atingidas. “Isso é motivo de satisfação, porque é muito fácil escrever e imprimir. O mais difícil é realizar. E nisso, nós temos a experiência para apresentar, falar e realizar”, explanou. O candidato Robinson Feres utilizou o espaço para contar a sua história pessoal e profissional. Também defendeu a renovação na política. “Tenho acompanhado por todos esses anos a política rionegrense. E diante de tudo que tenho visto, tenho certeza que estou preparado para enfrentar esse grande desafio”, comentou. Juarez Novak, candidato a vice-prefeito pelo PSB, também aproveitou o espaço para se apresentar de forma breve, citando a sua história pessoal e profissional.

Após as falas iniciais, teve início o segundo bloco com os sorteios dos temas preestabelecidos, onde os candidatos fizeram e responderam perguntas entre si com base no tema proposto. Cada candidato teve dois minutos para responder a pergunta, um minuto para a réplica e trinta segundos para a tréplica. O primeiro tema sorteado foi “Qualificação profissional e desenvolvimento local”. O candidato Milton Paizani ressaltou os investimentos realizados na educação de Rio Negro com as construções do SESI/SENAI e SESC/SENAC, e questionou o candidato Robinson Feres sobre as ações que ele, caso seja eleito, fará para aproveitar essas duas escolas. Robinson defendeu a ampliação dos convênios com essas entidades educacionais e defendeu a ideia de atrair novas empresas. “Nós vamos formar mão de obra, mas para trabalhar aonde?”, enalteceu. Também defendeu o fortalecimento das micros e pequenas empresas da cidade de Rio Negro. Disse ainda que a cidade precisa trabalhar em parceria com o SEBRAE, cedendo uma sala para facilitar a desburocratização para a abertura de novos negócios. Na réplica o candidato Milton Paizani citou que Rio Negro já possui a Sala do Empreendedor do SEBRAE desde o ano passado. Também mencionou que vários investimentos foram feitos em sua gestão para atrair novos empreendimentos. Em outro momento do debate, quando o candidato Robinson questionou sobre o fechamento de empresas na cidade, Paizani gerou expectativa no publico presente ao falar que uma grande “empresa misteriosa” sul-americana virá no próximo ano para a cidade de Rio Negro, mas que por motivos contratuais ainda não pode informar detalhes. Também informou que outras empresas já vieram para Rio Negro após investimentos da prefeitura em infraestrutura.

O segundo tema sorteado foi “Saneamento”. Robinson Feres questionou ao seu opositor o porquê ainda há, segundo ele, esgoto a céu aberto em alguns bairros da cidade, mesmo havendo o Plano Municipal de Saneamento Básico (PMSB), que é responsável por verificar e eliminar condições precárias com relação a esse tema. Paizani se defendeu dizendo que a cidade de Rio Negro é bastante privilegiada com relação ao saneamento. Mencionou os investimentos realizados em sua gestão para a ampliação do saneamento básico em bairros da cidade. “Nós hoje somos quase primeiro mundo em termos de saneamento. Essas áreas que ele (Robinson) fala que não tem rede de esgoto, nós temos um programa que lançamos que é o Limpa Fossa Gratuita. A prefeitura vai às casas e limpa as fossas sem cobrar nada. E nessas vilas não tem esgoto a céu aberto porque nós limpamos”, afirmou. Em seguida o candidato Robinson contestou na réplica dizendo: “Então prefeito, eu não sei no que pisei quando fui lá, porque tinha e tem”. Também defendeu a ampliação do convênio com a Sanepar afirmando que há escolas no interior que ainda não possuem água tratada. Na tréplica, Milton Paizani afirmou que a sua gestão está levando água tratada para diversas localidades interioranas.

O tema “Melhoria da qualidade da educação básica” fez com que os candidatos debatessem a valorização dos professores, o salário e a estrutura para o exercício da profissão. Paizani novamente defendeu as ações realizadas em sua gestão, enaltecendo principalmente a nota do IDEB conquistada recentemente pelo município, onde Rio Negro ficou na sétima colocação no estado do Paraná. Robinson Feres concordou que a nota obtida pelo município foi boa, mas disse que pode ser melhorada. Também deixou como proposta disponibilizar uniforme escolar gratuitamente para todas as crianças da rede municipal de ensino. Além disso, como proposta, o candidato do PSB pretende acabar com a indicação política para os cargos de diretor escolar.

Em seguida, o tema sorteado foi “Saúde”. O hospital Bom Jesus foi foco do debate por vários momentos. O candidato Paizani utilizou o espaço para explanar sobre o apoio que a prefeitura oferece ao hospital. Robinson questionou o motivo da não implantação do SAMU Avançado na cidade e a reabertura da maternidade. Em suas palavras, Robinson exemplificou a rotina de mulheres que precisam sair da cidade para a realização do parto. “Por que as mulheres precisam sofrer em Campo Largo, sendo que poderiam ter os seus filhos aqui em Rio Negro?”, questionou.  Paizani afirmou que houve investimento em equipamentos na ambulância do SAMU que atende a cidade, tornando o atendimento eficaz. Também disse que a cidade conta com o apoio de um helicóptero que leva pacientes com casos graves de saúde a outras cidades através de um convênio realizado com a Polícia Militar. Milton Paizani também explicou o motivo da cidade firmar um acordo com o hospital da cidade de Campo Largo. Segundo ele, o hospital tem uma grande estrutura capaz de atender bem a todos os pacientes que para lá são levados. Na tréplica, ainda no tema saúde, Robinson insistiu no assunto maternidade afirmando que muitas pessoas reclamam da rotina de ir e vir para cidade de Campo Largo após ganhar um filho. “Nós temos que recuperar a maternidade de Rio Negro”, afirmou o candidato.

Ainda com relação à saúde, o candidato Robinson disse que é uma das suas propostas de governo priorizar um convênio com o hospital mafrense São Vicente de Paulo, que pode, segundo ele, atender a cidade de Rio Negro. Milton Paizani em sua fala disse que está ciente que o hospital de Mafra não tem como atender Rio Negro, por isso é preciso investir forte no hospital Bom Jesus. Segundo ele, a prefeitura auxilia o hospital sempre que possível além da ajuda financeira mensal que já é constantemente realizada. “Nós não podemos perder o nosso hospital de jeito nenhum”, comentou.

Com o tema “Segurança”, Milton Paizani afirmou que através de parcerias com empresários, tem realizado melhorias na segurança de Rio Negro. Disse que o sistema de monitoramento com câmeras instalado na cidade vem colaborando para a segurança. Também disse que tem compromisso com o governo do estado para criar um Batalhão da Polícia Militar na região. Ao ser questionado sobre as propostas para a segurança na cidade, o candidato Robinson de imediato disse que de fato há monitoramento na cidade, mas uma pessoa para acompanhar não há. “Não adianta ter o equipamento de monitoramento, mas ninguém que olhe. A minha loja foi arrombada duas vezes. É utopia criar um batalhão da PM em Rio Negro. Eu ouço isso há mais de 20 anos”, frisou o candidato. Robinson ainda afirmou que há pouco efetivo na Polícia Militar na cidade e deixou como proposta a viabilização da criação da Guarda Municipal de Rio Negro para desafogar e colaborar com a PM na cidade. Na sequencia, Paizani voltou a falar da instalação do batalhão da PM. Disse que não é um sonho, já que há, segundo ele, um projeto em conjunto com o Comandante da Polícia Militar da cidade da Lapa e com prefeitos de municípios vizinhos, e já está em fase final para ser aprovado. “Nós iremos anunciar a criação do batalhão na região sim e uma companhia independente em Rio Negro. Isso é compromisso e está em nosso plano de governo”, afirmou o candidato a reeleição.

O quarto e último tema sorteado para o debate foi “Transparência e participação da gestão”. O candidato Robinson afirmou que o Portal da Transparência da cidade de Rio Negro é na maioria das vezes inacessível e questionou o seu opositor sobre isso. Paizani disse que o portal recebeu nota 10 recentemente pelo Ministério Público Federal, sendo considerado o melhor do estado do Paraná. Afirmou ainda que o sistema de transparência online é bastante fiscalizado e recebe melhorias sempre que há uma análise que aponta para isso. Robinson Feres deixou como proposta a implantação do Observatório Social em Rio Negro, que já vem atuando em várias cidades do Brasil e é, segundo o candidato, uma importante ferramenta para a fiscalização e transparência dos atos do executivo.

O terceiro bloco do debate foi marcado pelas perguntas feitas por entidades locais. Seis perguntas foram sorteadas em uma urna. Houve questionamentos sobre as propostas dos candidatos para atrair novas empresas, cumprimentos da Lei da Acessibilidade no município, melhorias na qualidade da rede de ensino, compromisso dos candidatos com o hospital Bom Jesus, saneamento básico na cidade e a formação de mão de obra na área do comércio e prestação de serviços.

Na sequencia do debate, o público presente teve a oportunidade de fazer perguntas. A primeira pergunta sorteada foi referente à cooperação entre os municípios de Rio Negro e Mafra. Milton Paizani afirmou que há projetos que serão colocados em prática em parceria com a cidade de Mafra, como a revitalização da terceira ponte na Vila Paraíso. Também disse que a prefeitura disponibiliza espaços para a sociedade mafrense usufruir gratuitamente, como o cinema e teatro. O candidato Robinson Feres reforçou a ideia de firmar um convênio com o hospital de Mafra. Na área do transporte, o candidato frisou que é preciso haver uma nova empresa para o transporte público. Também deixou como proposta uma modificação no trânsito no centro da cidade com a extinção do calçadão, possibilitando um acesso direto para a cidade de Mafra, proporcionando assim, segundo o candidato, uma melhor fluidez no trânsito.

A segunda pergunta do público foi referente à infraestrutura. As condições das estradas do interior foram debatidas pelos candidatos, além da revitalização da cidade como um todo e a manutenção de prédios municipais, como a atual sede da prefeitura. O tema trânsito novamente foi debatido quando uma pergunta sorteada citou a atuação do Conselho Municipal de Trânsito de Rio Negro. O candidato Robinson Feres afirmou que é preciso uma regulamentação do horário para a carga e descarga de mercadorias em lojas na cidade, pois segundo ele, a falta de regras atrapalha a fluidez do trânsito, principalmente nas áreas centrais, onde faltam vagas de estacionamento e, consequentemente, atrapalha o comércio local.

A pergunta sorteada que pedia a opinião dos candidatos sobre a implantação de um plano de carreira para os servidores efetivos não foi respondida. Ambos os candidatos optaram por não responder, aparentemente por falta de compreensão da pergunta. Na sequencia, outra pergunta referente à saúde foi sorteada e o tema foi abordado pelos candidatos.

Milton Paizani por várias vezes durante o debate repetiu a frase: “O candidato (Robinson) está desinformado”. Já Robinson Feres citou diversas vezes que as promessas do seu opositor são “sempre para depois”. O grande momento de manifestação do público presente foi quando o fechamento da maternidade de Rio Negro foi tema do debate. Paizani fez a sua defesa explicando o motivo do fechamento, relatando as más condições em que o prédio se encontrava quando foi interditado. Também afirmou que posteriormente, quando o hospital Bom Jesus assumiu a maternidade, havia prejuízos financeiros por não haver o número mínimo de partos mensais necessários para cobrir os custos, e por essa razão houve a necessidade do fechamento da maternidade para evitar que o hospital quebrasse. Paizani disse também que os partos não são realizados atualmente em Rio Negro, mas ainda assim nascem rionegrenses, pois podem ser registrados na cidade. Também disse que as mulheres são bem atendidas em outras maternidades, e isso é o importante. “Não nasce mais rionegrense… Isso é balela. Conversa fiada. Registra aqui em Rio Negro. Se o hospital quiser fazer a maternidade, vai ter o apoio da prefeitura e nós vamos ao governo do estado para conseguir o valor necessário, mas tem que pensar bem para não quebrar o hospital”. Nisso, boa parte da plateia que nitidamente era favorável ao candidato tucano, exaltou-se com palmas e palavras de estímulo. Logo em seguida, o candidato Robinson respondeu e disse que ficou triste ao ver mulheres e mães aplaudindo a fala do candidato Milton Paizani. Tal frase também fez com que os seus aliados se exaltassem. “A maternidade com parceria público privado é possível. É viável. Eu nasci aqui há 45 anos e era viável ter uma maternidade. Por que agora não é viável? Isso aí que é balela! É viável sim. Falta vontade. Falta fazer acontecer”, enfatizou o candidato Robinson.

Nas considerações finais os dois candidatos reforçaram os seus ideais. O vice-prefeito, James Karson Valério, fez inicialmente o uso da palavra e enfatizou a experiência que ele e o candidato à reeleição, Milton Paizani, possuem. “Rio Negro não está mais em tempo de fazer do seu futuro algo tão inovador. Nós precisamos de experiência. Nós precisamos de gente que faz, fez e mostra. Do alto da minha experiência, Rio Negro não pode mais apostar. Nós precisamos fazer acontecer”, comentou. Milton Paizani em sua fala parabenizou o seu oponente na eleição pela campanha limpa realizada durante todo o processo eleitoral. Também afirmou que Rio Negro atravessa um momento bom. Para justificar isso o candidato citou dados do orçamento do município e novamente relatou as ações realizadas em sua gestão, reforçando a ideia que é preciso ter continuidade nos trabalhos. O candidato Robinson Feres também parabenizou o seu oponente e defendeu a ideia da renovação na política. “Não podemos esquecer que para ter experiência é preciso começar. Nós temos que dar oportunidades a todos”, ressaltou.

O debate foi promovido pela Associação Comercial e Industrial de Rio Negro (ACIRN), Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e Sindicato das Indústrias de Móveis, Marcenarias, Carpintarias, Artefatos de Madeira, Serrarias, Madeiras Laminadas e Compensadas de Rio Negro (SIMOVEM). Um grande público prestigiou o evento, deixando o auditório do SESI completamente lotado. A entrada para o evento era 01 kg de alimento não perecível. No total foram arrecadados 165 kg de alimentos que serão doados ao hospital Bom Jesus.

Confira as fotos do evento (clique para ampliar):

- Publicidade -
COMPARTILHE

PUBLIQUE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite o seu comentário.
Por favor, informe o seu nome.